segunda-feira, 28 de junho de 2010

Capitulo OITO- Uma kitsune de Beverly Hills. Segunda Parte

Novo por aqui? Leia o capitulo ZERO

Quando notei estava em um novo lugar, a tal terra dos sonhos... Murillo, ou Morfeus estava me esperando em uma grande mesa, sentados a sua volta estavam meus amigos.


Estavam todos presos nas cadeiras, ao lado de Morfeus estavam sentados mais dois Oneirois:

Icelos e Phantasos... De pé ao lado dos três estavam Lindsay e Karispuck.

Lindsay tinha asas de fada, e usava um vestido azul claro repleto de dentes e Karispuck agora tinha calda e orelhas de raposa...



-Que comecem os Jogos!- Murilo gritou

De repente nós estávamos numa floresta, eu e meus amigos.

A frente havia uma porta, que nos disse para entrar, nós obedecemos, e fomos para um lugar escuro, porem a mesma floresta.

E quando nos demos conta estávamos fugindo de um ser meio homem meio leão.

Ele nos encurralou num precipício, e nos empurrou, lá embaixo, sentindo dor, a Lindsay, fada dos dentes, nos pediu nossos ossos se quiséssemos desistir, mas antes de qualquer um dizer algo escutamos uma voz vindo das sombras:

-Já chega!

Era Karispuck, agora uma raposa, com três caldas.

-Calada!- disse Murillo que nos observava

Ela soprou labaredas sobre ele, virou novamente uma garotinha japonesa e nos soltou.

Nós corremos pela floresta e demos de frente com dois portões, um de ossos e um de marfim, Karispuck abriu o de ossos e nos mandou entrar, enquanto seus amigos vinham atrás tentando nos pegar de volta.

Estávamos no Reino de Morfeus, agora Murillo.

Era um lugar bonito, mas ele era só uma grande miragem, que brilhou e pudemos ver sua verdadeira face.

Haviam fontes de água esverdeada, o céu estava escuro, e estava deserto... Haviam apenas uma meia dúzia de pessoas, algumas já cansadas desapareceram.

Nós estávamos andando num grande tapete vermelho, no meio do reino, que dava para um grande castelo negro, dentro haviam dezenas de artefatos, e Karispuck nos levou à uma grande sala, onde eram guardados milhares de livros:

-Aqui estão os livros que nunca foram escritos- ela disse- vocês também podem encontrar artefatos, como vidas que nunca nasceram- ela apontou para potes com destroços de bebes- e sonhos que nunca foram realizados- ela mostrou um grande corredor que dava para uma sala gigante que estava transbordando de coisas.

Haley andava entre as prateleiras vendo livro por livro até que encontrou um em especial

-Aqui! O livro que meu tio nunca escreveu!

-O que?

-Sim! A segunda edição desse livro que estou lendo... Está espalhada por diversos lugares... E eu encontrei o número dois... Estou muito contente...

-Você não pode levar os livros daqui- Karispuck disse

-Esse é da minha família... Se eu não pega-lo posso escrevê-lo de trás para frente...meu tio já me contou todas as histórias desse livro...

Karispuck não disse nada

-Como vamos sair daqui?- perguntei

-O jeito é ligar para minha avó...- Karispuck disse

Ela pediu um celular.

Murillo e seus irmãos chegaram... Karispuck só pode dizer:

-SOCORRO!

E eles pegaram o celular e desligaram antes de sua avó responder.

Lindsay fez surgir seres de ossos das sombras, que nos seguraram e prenderam numa parede alta.

Eles nos açoitaram, e quando estava cansado eu desmaiei.

Karispuck falou comigo através do sonho, disse para mim me transformar em lobo.

Eu acordei com a vista embaçada... E vi meus amigos machucados, olhei para Karispuck, que fez um sinal positivo com a cabeça.

Eu obedeci sua ordem e me transformei em lobo, ela fez o mesmo se transformando em raposa, e com minha força sobre humana pude quebrar minhas correntes, mas mesmo assim não conseguiríamos segurar Murillo.

Karispuck atirava labaredas de fogo contra eles e Murillo contraatacou, com uma espécie de poder psíquico que nos fez ter uma dor de cabeça maior do que a de qualquer um, tanto que meu nariz sangrou. E eu voltei a ser humano.

Lindsay mandou-o parar, ele estava indo longe de mais mas ele não obedeceu

-Calada Lindsay! Você não pode mandar em mim! Nunca mandou!

Os irmãos disseram o mesmo para ele mas novamente ele não deu ouvidos...

Eu achei que iria morrer, até que algo arrombou a porta.

Era uma enorme Kitsune dourada com nove caldas, ela atirou labaredas de fogo contra Murillo, e o atirou contra a parede;

-Vovó!- Karispuck gritou, e se transformou em uma Kitsune também;

A avó de Karispuck deu um golpe em Murillo que ficou desacordado;

As duas vieram comigo ajudar a tirar meus amigos da parede, mas eles caíram sozinhos de lá, Lindsay agora do nosso lado havia tirado seu feitiço.

Nós nos apressamos a sair dali, e eu acordei no meu quarto novamente.

Já era de manhã, desci junto com meus amigos e no saguão estavam Lindsay, Karispuck e sua avó.

-Sinto muito por ontem- disse Lindsay- nós só queríamos pregar uma peça... Mas tudo fugiu do controle.

-Onde está Murillo?-perguntei

-Eu não sei- Lindsay disse amuada

Nós nos despidimos, e Karispuck veio falar conosco

-Eu quero ser guardiã de vocês... Quando precisarem, eu aparecerei nos seus sonhos

Ela foi uma ótima aliada... Poderíamos confiar nela como guardiã... A pequena Kitsune de Beverly Hills...



Eu ainda me perguntava sobre Murillo, mas eu pude entender: ele disse que era feliz... E agora era triste... Seu reino era triste, e não havia quase ninguém lá... E depois eu me lembrei, da sala de entulhos... E da grande biblioteca... Ele só se sentia inútil.

Mas eu sinto... Que seu desaparecimento não é um bom sinal...



-Ei! Murillo! Venha se junte a mim... Ser bonzinho não te ajuda em nada! se junte a mim!

Capitulo NOVE

0 comentários:

Ocorreu um erro neste gadget
Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Powerade Coupons