quarta-feira, 27 de março de 2013

Nós vamo invadir sua praia! - Primeira parte



-Como assim não posso levar meu filho mais cedo?
Aquele dia estava sendo um inferno no jardim de infância, Becky parecia ter acabado de limpar um pavilhão de exposição de carros monstro após uma explosão simultânea de óleo, e que após isso estivera na linha de frente em uma terceira guerra mundial... Ela costumava ser meiga, porém aquele dia seria difícil convencê-la de liberar qualquer um; enquanto conversava com um dos pais as crianças gritavam na porta atrás dela, os óculos estavam tortos e embaçados e uma mecha do cabelo pendia sobre o rosto, se movendo de acordo com sua respiração enfurecida, pelo vidro da porta era possível ver crianças flutuando, um deles estava sobre a mesa apontando uma pistola de desintegração para os colegas de turma enquanto vasculhava a bolsa de couro falso da professora – Achei! – Ele gritou com a chupeta no canto da boca abafando o grito, ergueu o que procurava e as crianças caíram ao chão uma a uma.
-Eu já disse, não posso liberá-lo agora! Pelo menos não AGORA! – Houveram mais alguns gritos quando o raio laser voltou a ser apontado para a criançada – Estou com um pequeno probleminha lá dentro e... Eu não posso parar tudo agora... E-eu, preciso realmente voltar lá, sinto muito – Ela abriu a porta, o garotinho escondeu a arma dentro da bolsa, chorou como se fosse a vítima, ela parecia não saber por onde começar, pegou os potes de tinta do chão, tentou limpar o excesso da bagunça, ouviu mais berros, mais choro, todos chamavam “professora” ao mesmo tempo, ouviu o rugido do motor, socos, tapas, mais berros, a borracha dos pneus queimando no asfalto, pontapés, as tintas voltaram ao chão, mais choro, e os vidros se estilhaçaram sobre o para choque daquele mustang 68 vermelho e branco.
-Entra aí! – O carro pousou sobre um grupo de mesinhas coloridas, o para brisas estava enfeitado com um varal de desenhos à guache, as crianças ficaram espremidas num canto, atônitas, Becky estava sobre elas, as protegendo, o suposto pai saltou do carro e puxou a criança agarrada a bolsa de couro falso e a lançou pela janela para o banco do passageiro.
-Você não pode fazer isso! Quem é você? Isso é sequestro! – Becky berrou, o pequenino abaixou o vidro da janela do passageiro e fez o gesto obsceno com o dedo para a professora. Os pneus cantaram novamente e a marcha ré foi ativada, o carro rolou as cadeiras e mesinhas para o jardim do colégio numa manobra rápida e se lançou contra os arbustos que separavam o jardim da rua, Becky correu à secretária, sacou o telefone vermelho e discou para a delegacia. – Foi um sequestro! Ele invadiu o jardim de infância e levou uma criança em seu mustang! – Ela gritou sem respirar entre as palavras. A policial pediu para que ela se acalmasse, que dissesse onde estava e que tudo ficaria bem.

Ocorreu um erro neste gadget
Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Powerade Coupons